Quando o amor é verdadeiro

Sempre achei que os relacionamentos eram divididos em quatro fases. Gostar, gostar muito, estar apaixonado e amar.

Gostar é aquela fase em que há apenas o desejo, a vontade dos beijos e dos amassos, gostar é uma fase mais física do que sentimental.

Gostar muito é quando o caldo começa a entornar, quando damos por nós a pensar na pessoa uma vez e outra, é quando a vontade passa a ser não somente de beijos e amassos, como também de mãos dadas, carinhos, abraços e conversas. Gostar muito é quando o sentimento começa-se a infiltrar na relação. É um rápido salto que te faz passar do gostar para o gostar muito, mal dá para perceber.

Estar apaixonado é o fim da linha, quando não há mais nada que ocupa a tua mente e tudo o que conseguimos fazer o tempo todo é pensar naquela pessoa especial, é querer estar com ela sempre, é sofrer quando a pessoa não está perto mesmo que seja por segundos ou minutos, é sentir saudade até quando a pessoa vai à casa de banho. Sim, a paixão é louca, possessiva, doentia e obsessiva, mas é linda.

Ela é linda, não podemos negar esse facto, ela é cheia de sensações sinestésicas, desordenadas e completamente loucas que só quem está apaixonado pode gostar, a paixão dói, aperta, corrói, machuca, inflama, arde, queima, brilha, explode e mesmo assim não há um só alguém que não fique feliz ao se apaixonar... estar apaixonado é a mistura entre sentimentos físicos e ações sentimentais.

E há o amar, quantos poetas, desconhecidos, anónimos e escritores já falaram sobre ele. Enquanto a paixão é o fim, o amor é só o começo, mas não posso defini-lo como fiz com os outros, seria uma heresia. Ele se auto-explica, se basta e nada do que eu possa dizer se aproximará do que ele realmente faz com que sintamos. Mas um belo dia toda esta minha bela teoria foi por água abaixo.

Tu chegaste e trouxeste-me aquele turbilhão de emoções, sensações, sentimentos, efeitos, causas e consequências. E dei por mim a experimentar outro tipo de relacionamento, que era muito para ser considerado apenas uma única fase... isto era diferente. Era a angústia da paixão com a leveza do gostar, a insistência da mente em não tirar do pensamento com tudo que o amor pode trazer de bom, toda a dor do amor com a cegueira da paixão.

Foi então que descobri, foi então que vi pela primeira vez aquela tal coisa que li num sonho, que sonhei num livro. Amor verdadeiro, porque apenas e tão somente ele é capaz de juntar todas as fases em uma só eternamente duradoura. Quando se ama verdadeiramente, somos capazes de gostar gostando muito de estar apaixonadamente a amar. E é por toda esta louca confusão que só temos um amor verdadeiro. E é por isso que temos um ao outro.

Não é fácil de encontrar, muitas pessoas passam a vida toda a procurar e, na mesma proporção, não é fácil de perder. Uma vez que o destino colocou o amor verdadeiro no teu caminho, não o tirará de ti de forma tão fácil. Porque amor verdadeiro não dá e passa, não começa e acaba. O amor verdadeiro renova-se todos os dias e começa cada dia como se fosse o primeiro e o último.

Gabriela Piva (adaptado)

também poderás gostar...