Uma carta para ti, que nunca foi enviada


Eu faço-me de forte. Mostro e ponho-me bem, ponho-me bonita e sorrio, como se tudo estivesse bem. Até parece que ando por aí a conquistar uns corações sem ser essa a minha intenção. Penso que estou a conseguir, penso que já me és indiferente, que não me fazes falta, que não tenho saudades tuas ou que a tua ausência não me incomoda. Mas é mentira. É a mentira mais pura que já vi. Porque por mais que dê conversa a alguém, por mais brincalhona que seja e até tenha o mundo de rapazes aos meus pés, só consigo continuar a ter olhos para um. Para o mesmo de sempre: TU. Pensava que estava a conseguir arrancar-te de mim, a esquecer cada pedacinho que tenho de ti em mim, mas não. Está cá tudo. E depois de todas as mágoas que me fizeste sentir, depois de tudo, o meu pensamento é o mesmo… só gostava que tivesses vontade de me conquistar, só gostava que já tivesses caído um pouco como eu já caí por causa de ti. Porque, afinal, cair faz bem. Faz-nos perceber o que realmente nos faz bem, nos faz falta e o que nós sentimos.

Não consegues mesmo imaginar a dor que sinto, todo o sentimento de perda, todo o sofrimento e lágrimas derramadas na almofada, quando eu só queria receber uma chamada e ouvir coisas tão boas no meu ouvido e sentir que a pessoa que é capaz de me fazer feliz, também queria que eu a fizesse feliz. Mas não… está tudo na mesma. Nada mudou até agora. Num dia penso que há algo de bom e positivo a acontecer, mas noutro, já está tudo na mesma. Está cada um no seu canto, com cada um na sua vida sem poder construir uma vida juntos.

Eu bem que queria continuar a lutar, mas não consigo perceber se vale a pena, se um dia vou ter recompensa por tudo isto. Porque por mais distante que eu esteja, só tenho o feedback de que está tudo igual e blá blá blá. Eu gostava de sentir que havia algo de diferente, gostava de ter provas disso mas não há nada que tenha chegado a mim até então.

E hoje volto a chorar. Porque, afinal, amo-te imenso. Continuo a amar-te e, por mais que diga que já parti para “outra” e te faça sentir que já não és o amor da minha vida, continuas a sê-lo e não é possível continuar a esconder o que vai aqui dentro.

Se nunca nada mudar… (porque eu mantenho cá dentro aquela esperança de que tudo vai ficar bem), só espero que, quando encontrares alguém que te complete, melhor do que eu, não a deixes ir embora nem a percas como nós nos perdemos um ao outro. Sinto que nunca te vou esquecer. Espero estar errada, porque isto não é viver. É apenas sobreviver numa vida passageira com o coração desfeito, por não poder estar ao lado de quem tanto gostava.

E só mais uma coisa. Amo-te com todas as letras, desde aqui até ao fim do mundo. Agora, faz-me o favor de nunca te esqueceres disso.

Vânia Raquel Silva

também poderás gostar...