Existem dias em que só queremos acreditar no que ainda iremos sentir


Há dias que nos sentimos apaixonados, felizes, a viajar juntamente com as borboletas que sentimos no estômago. Com tal sentimento no peito, não temos tempo para nos preocuparmos com a crise, com a falta de dinheiro ou com a eterna vontade de querer consumir calorias antes de dormir. Estamos apaixonados, não existem contratempos, todos os motivos são para sorrir.

Há dias que estamos tristes, cabisbaixos, sem vontade de cantar uma bonita canção. Perdemo-nos no caminho, confundimos sentimentos e descobrimos, mesmo sem querer, que assim como a vontade de comer doces em dias tristes, a saudade também não desaparece. Há dias que não sabemos o que sentir. Não sabemos se vamos ou se ficamos. Se dizemos um olá ou se mantemo-nos com o adeus combinado. Se acreditamos no amor que está por vir ou se gritamos por socorro aos céus.

Hoje, não sabendo muito bem o que sentir, fico quieto a sorrir sozinho; não tenho muito com quem dividir os meus melhores sorrisos. E são tantos. Como pizza num final de semana, vejo as séries antes da maioria dos meus amigos e escrevo sobre o mundo que eu gostaria de ver. Faz-me tão bem. Descrevo como as pessoas amam, coloco-as em pedestais cheios de amor e descubro que vasculhar o que tenho cá dentro é o que me faz sentir vivo.

Por mais romântico que pareça, a alegria dos outros constrói a alegria que imagino um dia voltar a sentir. Não é que aqui dentro não haja alegria, longe disso mas, desculpa se estiver a pedir demais, quero que seja euforia. Quero sair um pouco deste vazio, da rotina que sinto, quero que o mundo me surpreenda, que me faça dançar de madrugada com a música mais mexida da minha playlist.
Quero que me dê a vibração de gritar pelos quarteirões do meu bairro o quanto ela é linda ao lado de uma pessoa tão indistinta como eu. Que me faça perder-me numa viagem que no fundo o objectivo seja
fazer com que me encontre.

A verdade é que sou feito de emoções e detalhes que poucos entenderiam. Deito-me, leio, adormeço e acordo querendo novas emoções. Não desejo grandes fortunas, nem amores que prometam ser eternos, só quero manter a esperança que ainda existe dentro de mim. Com ela acredito no mundo, conheço pessoas lindas com histórias que eu levaria anos a escrever, viajo por países com um céu cor de laranja e deixo a natureza curar-me. Pois, alguns podem não saber, o mundo cura, transforma dúvidas em certezas mas principalmente traz sentido à vida de quem, tal como eu, pertence a ele.

Se irei amar alguém durante dias ou anos, hoje, pouco me importa.

Se vou conhecer alguma cidade nos subúrbios de Portugal ou se me vou perder no charme de Lisboa, não faço comparações.

Se irei conquistar o mundo ou o coração de alguém, não me façam escolher.

Apenas ofereçam-me emoções, com elas sorrio para o mundo como mais ninguém igual. Apenas, por favor, não me tirem a esperança do que está por surgir pois, existem dias que só queremos acreditar no que ainda iremos sentir.

Entenda os Homens

também poderás gostar...