Por favor, não tenhas pressa


Todos os dias observo as pessoas. Todos os dias apanho o comboio à mesma hora mas a verdade é que vejo sempre pessoas diferentes, com olhares diferentes, com cansaços diferentes, com rotinas que não queriam ter - sim, é impressionante como se pode perceber muita coisa apenas por observar. E por muito tempo eu sentia-me assim, diferente. Todos os dias eu sentia-me deslocada. Todos os dias eu tinha pensamentos diferentes, um olhar diferente, um cansaço diferente. Mas todos os dias sentia-me "vazia". Não que alguma coisa na minha vida estivesse errada, mas também não estava certa.

Com o passar do tempo, a minha visão começou a mudar. Percebi que faltava não me importar. Então, decidi fazer um tratamento para descobrir que tipo de resultado teria. E confesso que foi o melhor antibiótico que tomei - sem receita médica -. Comecei a agarrar-me ao que tenho e a desprezar o que me falta. E vou-te contar.

Gastei tempo com pessoas que hoje passam por mim na rua e nem um "Olá" me dizem, mas não levo a mal porque se não fossem essas pessoas eu talvez não saberia distinguir quem realmente quer combinar um café porque quer, de verdade, a minha companhia ou quem quer combinar um café apenas porque não tem  mais nada que fazer. Viajei muito, conheci sítios que achei que nunca iria conhecer e todos esses sítios por onde já passei têm as suas histórias, histórias essas que vou sempre associar a alguém - ou porque estava no carro de um amigo meu e ele parou, no meio da rua, saiu do carro e meteu-se a dançar ou até porque estava a passar em Belém e vi um rapaz super parecido com um ator inglês (que por acaso até acho super bonito) –. Coisas tão simples mas que me vou lembrar sempre que passe nesses sítios, porque quando se está de boa com a vida, notamos até os pormenores mais “desinteressantes” e transformamo-los em algo notável. Também conheci muitas pessoas, tive muitas paixões e apenas amei uma vez. Já me partiram o coração e já me senti sozinha no mundo sem encontrar solução de como sará-lo. Mas agora estou aqui, e estou melhor do que alguma vez achei possível. Fiz todo este esforço por mim, mas quero que saibas que tu também entraste em cena – mesmo que agora, no presente deste texto, ainda não existas na minha vida -.

Digo que entraste em cena porque, apesar de querer ficar bem por mim, agarrei-me à ideia de que o meu futuro iria ser diferente do que imaginei – principalmente, aceitei esse facto -. Fui um dia feliz com outra pessoa, mas sei que irei ser mais feliz contigo – sem querer entrar em comparações, mas a realidade é que a vida corre e os sentimentos também -. Chorei muito por outras pessoas, e sei que também vou chorar por ti, mas tranquiliza-me saber que é normal e que vai ser um choro momentâneo porque no dia seguinte já vai estar tudo bem, sem precisarmos de virar costas um ao outro. Diverti-me muito com os meus amigos sem te ter lá, mas sei que me vou querer despachar muito mais rápido para sair de casa depois de fazeres parte desse círculo. Tenho tanta coisa para te contar, tenho tantas histórias que te vão fazer rir, tenho tanta coisa  que te vai querer teres-me conhecido mais cedo. Mas calma, não te quero iludir... Também tenho muitos defeitos para te mostrar, tenho muitas histórias vergonhosas para partilhar contigo. E tenho tanto medo. Mas também quero que saibas que em todos estes anos da minha existência – que nem são assim tantos -, senti tanto a tua falta. Foste quem eu mais precisei e que, por inconveniência da vida, não te encontrei mais cedo.

E aproveito desde já para te agradecer. Agradeço por teres mudado a minha rotina, agradeço por teres paciência de decifrar se gosto ou não de ti – desculpa o meu “mau” feitio, mas não me vou expressar assim que sentir algo -, agradeço por dares o braço a torcer quando eu me chatear “sem razão”, agradeço por me levares a jantar fora, ao McDonald’s. Agradeço por me fazeres tão bem mesmo que não te apercebas disso.

Agradeço-te por me deixares partilhar contigo a liberdade que tinha antes de fazeres parte da minha vida.
Quero a dose certa  de poder viver sem ti e de poder passar o resto da minha vida ao teu lado. Por isso peço-te, por favor, que não tenhas pressa. Não tenhas pressa, mas também não deixes que o momento em que nos cruzarmos passe rápido demais. Porque a verdade é que gostava muito da liberdade que tinha, mas a partir de agora quero ter a liberdade de estar presa a ti.

FB

também poderás gostar...