(Um dia vamo-nos casar mas por agora, agora começo por a descalçar.)


 Tem o seu corpo moreno sobre o meu peito e eu em estado perfeito não podia estar mais sereno de uma serenidade inigualável. Estou tão tranquilo que nem refilo de ainda estar calçada, porém sorrio, aprecio a sua terna vontade de ser mimada. Deitada nos meus braços, no conforto das nossas almas, no aconchego dos nossos sexos dou por mim num embaraço aparentemente sem nexo, meu amor.

Ainda não se descalçou, penso consecutivamente e secretamente durante vários instantes mas, não me consigo importar neste momento pois a pressa foi tanta para me sentir, como posso eu não sorrir? Sortudo - sussurro - tenho toda a sorte possível pois sou eu o seu amor e a sua liberdade, não só o seu repouso como tal a prioridade.

Chegar a casa, descalçar-se e pousar o rabiosque no sofá é praticamente tão libertador  e relaxante como tomar um banho quente de imersão, com sais minerais e espuma. E ela, nem por 5 minutos que sejam, sempre que pode é na minha direcção que ruma, é a minha companhia que a satisfaz, sou eu o tal rapaz e sei-o, tenho a certeza absoluta. Ela é a minha princesa - mas não como a dos filmes - sente-se realmente completa e feliz e sei-o porque nem se desfazer dos sapatos ela quis.

(Um dia vamo-nos casar mas por agora, agora começo por a descalçar.)

Joana Rita

também poderás gostar...