Esqueci-te com o tempo


O tempo passa sem medo de passar, sem vergonha de quem vai enfrentar,  sem medo das caras que vai cruzar.
É o tempo e basta! Ele tem o poder sobre nós.
Quase me arrisco a proferir que o sacana nos domina!
Às 16h tens de fazer isto!  Mas! Antes disso... Ao meio dia tens de ir almoçar. Mas! Posteriormente... Tens de ir ali.
O tempo ordena. Seu grande ditador.
Ele disse:
- "Fazes isto aquela hora e se não fizeres nesta exata hora ela não volta. Nem neste dia. Neste neste ano."
Aquele tempo fugiu como um velho tenta fugir da morte. Como um criminoso tenta fugir do local do crime. Pior! Como as palavras fogem de mim.
Somos fugitivos. Somos dominados. E somos sabotados. Por ele!
Peço-te Tempo que me esqueças... Não quero viver em função do tempo... O tempo traz-me nostalgias e incertezas.
Espera, tempo! Incertezas? Mas também tenho a certeza que  aquilo já acabou.
Afinal!  É uma esquadra. Tudo se entrelaça como aquela porta aos quadrados.
Olha? Perdi-te com o tempo.
Olha? Esqueci-te com o tempo.
Foi o tempo!  Não eu! 
Eu não tenho culpa disso. Coitada de mim... Se fui eu que desisti de ti. Se fui eu que tomei a decisão de te deixar levar as palavras, os memórias e os risos contigo.
Foi ele!  Não eu!
Condenem-o à morte e não a mim! Não mereço morrer por causa do tempo passar.
Foi ele não eu!
E se fui eu?
E?
E se foste tu? E não ele? E não eu?
Quem se desapegou do meu aconchegante e doce coração?
Quem se desapegou da minha libertina e delirante mente?
Quem me roubou a alma?
Foste tu ...
Seuuuuu pseudo-chupista.

Daniela Costa

também poderás gostar...