Como seria se tu voltasses?


Pergunto-me muitas vezes como seria se tu voltasses.
Eu estaria de braços abertos, é certo.
Receber-te-ia de volta com todo o amor, porque eu te amo mais a ti do que a mim própria, e suportaria qualquer coisa por ti, nem que fosse a pior humilhação do mundo.
Mas tu estás longe, bem longe de mim e eu já te perdi há muito tempo, há bem mais do que eu pensava.
Se te perdi foi porque talvez nunca me tenhas pertencido realmente, ou porque não soube como te dar o melhor de mim.. Eu prefiro acreditar que simplesmente não era para ser, apesar de eu saber, ter a certeza de que foste feito para mim, assim como eu para ti.
Tínhamos tudo, tudo, tudo para dar!
Mas isso agora não importa, porque a verdade é que para ti eu já não existo, enquanto eu continuo a pensar mais em ti do que no resto, e isso sim deixa-me completamente de rastos.
A cada dia que passa a dor mantém-se e eu não faço a menor ideia de como me ver livre dela, a tua ausência está demasiado presente, como lidar com isto?
A quem inventou isto do amor não correspondido só me apetecia mandar-lhe um tijolo (ou dois...) à cara!
Onde já se viu sofrer por alguém que não quer saber de nós nem pintados de ouro ou cobertos de chocolate?
"O tempo cura tudo" ouço eu muitas vezes, mas a verdade é que não cura, apenas atenua, mas por agora só tem piorado.
Mais saudades tuas, mais saudades nossas, mais distância, mais de tudo o que eu menos queria.
Deixaste uma marca demasiado profunda para que o tempo a cure.
E a ferida está tão feia que parece que não haverá melhoras nunca.
Não gosto menos de ti desde que nos afastámos, pelo contrário, apenas aprendi a guardar para mim o que não importa a ninguém.
O lugar que conquistaste em mim continua a ser teu, só teu, e mais ninguém lhe tocará até que eu, tu e o tempo acharmos que é a altura certa.
Não consigo, nem quero esquecer-te. O que sinto por ti é demasiado forte e não merece ser esquecido, por isso eu guardo para mim, na esperança de que um dia te apercebas de tudo e voltes.
O destino vai fazer o seu papel, isso é certo, e eu acredito que um dia, talvez daqui a muito tempo, os teus olhos voltem a brilhar.

Beatriz Alves

também poderás gostar...

Hoje apeteces-me