Porque erramos tanto?

Porque não pode o ser humano nascer perfeito? Porque temos de cair tantas e tantas vezes para aprendermos com os nossos erros? Não podíamos nascer já ensinados?

Perguntas algo difíceis de responder, que carregam consigo as dificuldades que estão escritas no nosso Fado, na nossa rotina, no nosso pensamento... Seria tanto mais fácil se nascêssemos todos plenos de consciência da forma como devemos encarar os problemas que nos aparecem, mas se assim fosse, não haveria personalidade, seríamos apenas produtos pré fabricados, todos iguais embora que por fora fossemos tão diferentes! A vida perderia a graça, seria impossível alguém entrar na tua vida e mudá-la, quer seja positivamente, quer seja negativamente, apenas agiríamos como meros robôs...

Como tal, primeiramente o ser humano aprende a errar, para depois acertar! Às vezes não aprendemos à primeira, erramos mais umas quantas vezes, mas o que conta é que no fim consigamos aprender a lição guardada para nós... Não existe ninguém perfeito, ninguém sabe tudo, aliás, "sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância", daí que nunca estejamos livres de errar, por vezes acabamos por magoar quem menos queríamos e acabamos também, dessa forma, por nos magoar-mos a nós mesmos... É sem dúvida o que custa mais, não a dor que sentimos por errar, mas sim aquela que sentimos por sabermos que ferimos quem menos desejávamos ferir, quem talvez menos o merecia, mas apesar de tudo, não nos podemos deixar abater de forma alguma, temos de correr atrás do prejuízo e saber esperar... Esperar que nos perdoem, pois só assim conseguimos voltar a sentirmo-nos bem com nós mesmos... Não há pior sentimento do que o sentimento de perda, não por um falecimento, pois aí nada podemos fazer, mas a perda de quem mais precisamos, a perda de quem com um simples "olá" nos roubava um sorriso de orelha a orelha, a perda de alguém com quem passávamos dias inteiros a conversar, a perda de alguém que olhávamos com ternura, a perda de alguém que só o facto de estar a sorrir já nos deixava feliz, a perda de alguém que dava cor à vida...
Não é realmente fácil suportar, mas às vezes é preciso tudo isto para crescermos como seres humanos, para nos tornarmos pessoas melhores...

O que podemos fazer para consertar os cacos que deixámos no passado? Apenas esperar que aceitem as nossas desculpas, que perdoem os nossos erros e as nossas palavras ditas da boca para fora, quando a cabeça começa a entrar em estado de ebulição... Esperar é a tarefa mais difícil, acordar todos os dias e pensar "é hoje que termina a minha espera" e adormecer com o sentimento que o fim ainda vai ter de esperar, por vezes consome-nos o peito com um certo vazio, mas jamais podemos deixar para trás aquilo que preservamos como dados adquiridos bem no fundo do vazio que sentimos... Vai haver momentos em que vamos ousar desistir e em que nos vamos questionar se vale a pena sofrer tanto, mas a verdade é que por mais que se tente seguir em frente, a vida, mais precisamente o nosso pensamento deixa bem claro na nossa mente que isso é impossível e acabamos por deixar essa hipótese de lado por completo, ou pelo menos até o dia terminar, que é quando a dor teima em apertar...

A moral da história é esperar, pois a vitória é dada a quem preza o que é eterno ao invés do que é passageiro...

Alexandre Codinha Valério

também poderás gostar...