Isto já não é o que era

Sabes? Há dias que tudo me passa ao lado. Sempre gostei de ser positiva e de ver o lado bom da vida e, por muito que algo me afete, nesses dias, tento sempre ignorar o que me deixa mal. Sim, tu estás constantemente no meu pensamento, sejam dias bons ou não e tens uma grande influência nos meus dias e até no meu humor. Nesses dias, tento achar que é só uma fase, só um dia em que estamos mais distantes e que voltará tudo ao normal. Mas, quando caio na realidade, percebo que nem tudo é assim. Dia após dia, vamos crescendo, mudando e sim, estou mesmo ciente disso e quero crescer contigo. Contudo, inevitavelmente (penso eu) tu afastas-te cada vez mais e mais de mim. O impacto que ambos temos na vida um do outro deixou de ser como era. É triste o que vou dizer, mas está-se a tornar um hábito para mim estar horas sem uma mensagem tua, estar imenso tempo à espera que respondas, estar meses sem te ver e, às vezes, dias sem te ouvir. Já não estou tão presente na tua vida, como um dia estive. Não consigo ajudar-te com todos os teus problemas, porque nem tu deixas. Os teus amigos estão a tornar se de tal forma importantes, que quando estás mal, é a eles que recorres. Deixei de ser "a tua pessoa", aquela que não te saía da cabeça, que enchias de mensagens e chamadas diariamente, que fazias de tudo para ver nem que fossem uns minutos e que viravas o mundo ao contrário para estar. Deixei de ser e não, não estou a dizer que há outra nesta história. Mas a importância que me davas e que eu tinha na tua vida, foi-se. Apenas sou "a pessoa que gostas, mas que está longe", não sou a pessoa com quem desabafas, com quem precisas de falar para ficar melhor. E tu também deixaste de ter o mesmo impacto na minha vida, infelizmente. Quem me dera ter-te como tinha, quando esperava o dia todo para te ver e para te contar as minhas coisas, quando esperava semanas para te sentir e quando sabia que, independentemente da distância, não havia ninguém tão próximo de mim como tu. Tudo isto mudou tão rápido, que eu acho que nenhum de nós se apercebeu. Eu reparava, mas fingia que não, porque não queria acreditar. Mas sinto que estou muito só na minha vida e tu na tua, já não partilhamos as coisas como dantes, não vivemos dentro da vida um do outro e estamos simplesmente no nosso canto. As nossas conversas são sempre as mesmas e muitas vezes nem sequer conseguimos falar como queríamos, por falarmos tão tarde. Quero que saibas que, se dependesse só de mim, estávamos mais próximos do que nunca, mas uma relação vem das duas partes e acho que é isso que nos falta: dedicação. Aquilo que tínhamos e que, com o tempo, perdemos. És, sem dúvida alguma, a pessoa que mais amo, quero-te tanto na minha vida que até dói e, infelizmente não é literalmente, dói mesmo. Estar longe de ti, sem saber o que estás a fazer ou com quem estás. Tento ultrapassar, mas nem sempre consigo. Acredito que tudo acontece por uma razão e, conhecer-te da forma como conheci, não foi por acaso. Aliás, estarmos aqui desta forma depois do que aconteceu há uns meses, também não foi por acaso. Sinto que há algo que nos une, mas temos de saber usar isso para nosso proveito e é isso que te falta. Tu queres, mas não sabes como querer e isso afeta-te a ti, a mim e a nós. Quero-te como nunca e assusta me a ideia de ficarmos assim. Habituei-me a ti de uma forma inexplicável e não quero desabituar. Simplesmente quero-te como dantes.

Rita Oliveira

também poderás gostar...