Para ti, mãe

O meu coração tímido queixou-se, mais uma vez.

Com a voz embargada, engulo em seco esta desordem de sentimentos enquanto escrevo para ti. Sabes que és muito importante para mim, como qualquer mãe deveria ser para um filho. Mas há algo tão honesto em ti, como as palavras autónomas e não pensadas que dizes muitas vezes, que me fazem acreditar que não há ninguém como tu. Pelo menos dentro de mim.

Já falei do pai aqui, e deixei-te para o fim pensando que fosse mais fácil falar de ti. Mas não é.

Sei, por experiência própria, que é preciso muita coragem para emigrar. Mas também sei que não é fácil para um pai e uma mãe verem os filhos deixarem o ninho e correrem atrás dos seus sonhos num país que não lhes pertence. E tu, minha mãe, viste os dois partirem à aventura sem nunca imaginares que esse dia iria chegar.

Quando olho para trás...

Gostava, sobretudo, de encontrar palavras que descrevessem o que é estar longe de ti. Do quanto eu sinto falta do calor do teu colo, que tão bem afugenta os meus medos e embala os meus sonhos. Do quanto eu sinto falta dos raspanetes fugidos, mas tão sinceros. Do quanto eu sinto falta de te ouvir perguntar, preocupada, o que quero almoçar, jantar e como foi o meu dia. Com quem vou sair, a que horas vou e a que horas volto. Para ter cuidado com as companhias, para não voltar de táxi sozinha e para não beber. Mãe, tu não imaginas o quanto eu sinto falta dos nossos passeios de mãos dadas. Do quanto eu sinto falta da tua sinceridade. A verdade é que sempre que me lembro de ti parece que o mundo deixa de girar. Mas a vida não parou.

Tu continuas a acordar todas as manhãs com os pássaros a cantar nessa casa tão grande e, agora, tão vazia. A levantar-te da cama para preparar o teu tão sagrado pão a transbordar de manteiga e a tua caneca cheia de café. E depois de deixares metade do café, lá vais tu, aos tropeções nos cães trapalhões para mais um dia de trabalho. As horas passam, apressadas, neste tempo que não para de voar. Mas, mesmo assim, tu encontras sempre espaço para fazer mil e uma coisas e a dedicar tanto de ti aos outros. Mesmo que muitos deles não saibam ver a tua verdadeira essência e o quão boa tu o és. O quão tu és generosa e amiga dos animais. O quão tu és palhaça, mesmo que, quase sempre, entre sete paredes. No entanto, tudo mudou, pelo menos nesta casa.

Quero que saibas que...

Parti, desta maneira funda e repentina, sem nunca imaginar na falta que me farias. Mas pelo menos agora sei que a minha vida nunca saberá ao mesmo sem ti, mãe. Que as saudades que tenho de ti não têm distância. Que se fechar os olhos, encontro-te ainda. Quero que saibas que o que restou não foi silêncio e que, mesmo calada, continuo a seguir os teus passos, a vibrar pelas tuas conquistas e a torcer que os momentos cinzentos se apaguem com o nascer do sol. Quero que saibas que eu e tu será para sempre um epicentro de amor e que, mesmo vivendo longe, torço, todos os dias, para que sejas verdadeiramente feliz. Mesmo que eu não esteja presente para dançar contigo ao som da tua felicidade. Acima de tudo, quero que saibas que eu posso ter-me ido embora da tua vida, mas tu também vieste comigo, de mãos dadas, neste teu lugar cativo, mas mudo. E, acredita, não há distância, nem nada no mundo, que tenha força suficiente para te arrancar daqui.

E, sempre que as inseguranças assaltarem o céu e as estrelas deixarem de brilhar, em qualquer parte do mundo e com quem quer que eu esteja, sei que foi contigo que aprendi a encarar os obstáculos com a coragem de um sorriso rasgado. Foste tu que me fizeste acreditar que a vida poderia ser tudo o que quisesse, sempre e apesar de tudo, e que também eu conseguiria chegar ao topo da montanha, mesmo cansada. Por isso, sempre que a subida parece difícil, fecho os olhos e deixo que as tuas palavras meigas fitem as minhas emoções e tornem o caminho mais leve.

Já faltou mais para estarmos juntas novamente: com a casa cheia, como nunca deveria ter deixado de o ser. Juntas e rodeadas do amor que sempre nos pertenceu e o mais puro que pode existir.

Eu sei que sabes, mas...

AMO-TE além de tudo o que esta distância teima em querer apagar, mas não consegue. E ainda bem.

chezmoicheznous

também poderás gostar...