Tuas pétalas arranquei com o ódio da saudade

Tuas pétalas arranquei com o ódio da saudade
O sangue firme ficou, sem resposta da tua parte
O vento te levou nos meus sonhos de irrealidade
E morri sem amor, e o teu toque puro e suave.
O ódio da saudade permaneceu na minha mão,
E tudo o que pegava, arrancava a vida,
A culpa é minha e não do meu coração
Por me ter apaixonado por ti, sabendo que ele não queria.
Por amor, vou deixar-te viver os teus sonhos
E apagarei o conjunto de frases em que te dizia a verdade
Guardarei profundamente o olhar dos teus olhos,
E sei que viverei para sempre contendo o ódio da saudade.
Só a leitura dos teus textos me faz acreditar
Porque de verdade eu não acredito
No verdadeiro significado da palavra amar
E crucificar tudo o que no passado tinha dito.
Nunca pude dizer que foste minha
E eu nunca pude dizer que fui teu
Mas como é que ainda hoje mandas na minha alegria,
E desde de que te conheci, não fui verdadeiramente eu?
O vento levou a minha felicidade para parte incerta
E contive o orgulho e a necessidade de te ver
Pousei a saudade na montanha mais secreta
E levei comigo o ódio até ao dia de eu morrer.
Sonho contigo, até mesmo acordado,
E amo-te, mesmo não sendo amado
Desejo-te apesar da saudade
Posso sofrer, mas contar-te-ei a verdade.
Não te desejo todo este ódio que sinto
Pois fez com que minha felicidade morresse
E se disser que sou feliz, minto
Pois fui eu que fiz com que tudo isso desaparecesse.
O grão de amor que era feliz
Era livre e continha toda a felicidade
E agora vou pagar pelo mal que te fiz
E das respostas, inseridas está o ódio da saudade.
Mereces bem melhor que eu
Pelas más acções dos juramentos intactos
Mas se ficares comigo irei pedir a Deus
Que destrua todos os momentos desgraçados.
Ainda tenho o cheiro da tua mão
E todos os teus textos estão sempre comigo
Tenho o ódio da saudade marcada no coração
E as frases em que dizias:"só como amigos".

Stefano Vaz

também poderás gostar...

Imagem

Amo-te, mas não dá.