Às vezes não podemos confiar em mais ninguém além de nós próprios

Querido diário, 
A minha vida tem sido um misto de emoções ultimamente. Segue o que escrevi em ti pelas 17h da tarde de hoje.
"Querido diário. 
De tudo o que conquistei, acho que nada está perdido. Todos os choros e desavenças mentais que tenho tido servem para depois me levantar cada vez mais forte, pronta para derrubar quem quer que seja que me diga que não sou capaz de sobreviver às consequências e obstáculos desta "coisa" ao qual chamam de vida. Não nasci guerreira. Longe disso. Nem me considero como tal, muito menos nos dias de hoje e anteriores. Apenas sou uma humana com fraquezas e momentos em que me apetece ir para o caminho mais fácil. Mas por alguma razão.. ainda aqui permaneço"
Agora, quase 1h da manhã, vou citar precisamente o que tenho a dizer. 
O pior? É que às vezes sentimos que não podemos confiar em mais ninguém além de nós mesmos. Muitas das vezes me dizem e se bem que têm razão: "Tu és daquelas pessoas que dá muita confiança logo às pessoas e acabas por te lixar com isso"
As pessoas criticam-te a todo o custo, arranjam defeitos onde não os há e no pior das situações, pensam que elas são melhores e que conhecem sensação a, b ou c. Quando na verdade só tu sentiste e sabes o que fizeste para chegares onde chegaste.
Todas elas têm um pouco de egocentrismo no corpo, aliás, todos nós temos. Deve-mo-nos pôr em primeiro lugar, certo? Devemos ter amor-próprio correto? Pois bem.. mas existem diferenças. Diferenças essas que se notam ao longe e de muito longe. Porque às vezes um "Estás bem?" ou um "Estás melhor?" faz toda a diferença. Afinal de contas... pôr-mo-nos no lugar do outro poderá doer não?
A verdade é que há alturas que nós não nos sentimos bem. Não nos sentimos felizes. Ou realmente felizes. Como se faltasse algo... Ou um corpo bonito, paz se calhar, ou então simplesmente amor e carinho.   
É como se sentisses um vazio que achas que nunca irás conseguir preencher. Como se algo morresse em ti ou faltasse simplesmente uma peça no teu puzzle.
Mas um sorriso calha sempre bem e é o que nunca pode faltar em ti e em ninguém. Seja em fotos ou na rua a passar por quem quer que seja. 
Às vezes fingir que está tudo bem, poderá ser só um teste de 90 minutos, ou simplesmente uma fase. Ou um resto de uma vida.
Querido diário, 
A escuridão por vezes, é a tua única solução, a tua salvação.

 Kika Martins, Um céu de palavras

também poderás gostar...

Imagem

É, perdeste-a.