O 'bicho' de duas pernas e uma cabeça.


Uma aventura escrever sobre uma dor tão imensa. Em comparação com a quantidade de pessoas que sabe do que falo, poucas são aquelas que abordam este assunto. O assunto. Uma palavra e um murro no estômago: Depressão. Seja ela qual for. Os sinais não são evidentes e pensamos sempre 'isto vai passar', 'é só cansaço', 'nada que uma noite de sono não resolva'. É mentira. Quando acordamos estamos piores, os olhos estão inchados de adormecermos a chorar, agarrados a almofada.

Pode começar com a exaustão do trabalho, com uma mistura de problemas da faculdade. A pouco e pouco os problemas são tantos que a nossa cama se resume a mesmo isso. Uns lençóis de choro.

Começou com a minha insegurança comigo mesma, como pessoa, como filha, como tia, como namorada. Comecei por levantar questões e problemas que eram apenas da minha cabeça. E vivi com isso. Vivi com essas vozes malditas que me diziam 'A tua mãe ficava melhor sem ti, sem ter de enfrentar problemas financeiros; a tua irmã só tem de arranjar alguém que te substitua no trabalho; o João... Encontrará alguém bem melhor que tu. Tu não prestas e não...'. E depois pensava na minha sobrinha e as lágrimas corriam como uma torneira, eram tantas, a dor era tanta, que eu já não suportava nada disto. Odiava-me. Quis tanto acabar com a minha vida. Existiam mais vantagens que desvantagens.

Deixei de ser humana. Fazia uma refeição por dia. 'Estou enjoada, não tenho fome'. Dormia 5 horas, quando as dormia e não era perseguida por pesadelos. Emagreci. E muito. Dizia 'está tudo bem' a toda a hora. Chumbei a cadeiras para as quais me esforcei tanto.. Tratei mal pessoas que eu amava.

Fui quem não sou. Mas não pedi ajuda, porque ia sempre passar. Até não dar mais... Mas alguém pediu ajuda por mim: o meu João.

A depressão quando se junta com a ansiedade são tramadas. Mas tens de ser mais forte que isso, e lutar, remar contra a maré negativa.

A depressão é um 'bicho' de duas pernas e uma cabeça pois somos nós que a alimentamos.

Não tem de ser assim. Não estou bem a 100%, mas luto todos os dias. Há dias melhores, há dias piores. Os comprimidos ajudam, mas se não tomarmos nós a decisão, ninguém o fará.

Eu tive sorte pois tive pessoas que me amam a olharem para mim e dizer-me 'Tu precisas de ajuda'. Mas também tive de olhar para mim e tomar uma atitude.

Não podemos mudar o passado, mas podemos construir um futuro melhor. Uma construção positiva. Só temos de agir. Com o coração, com o que for preciso. Agir.

Tem fé. Se eu consigo tu também consegues.

Incompletasme

também poderás gostar...